domingo, janeiro 21, 2007

ATENÇÃO, VARANDAS BAIXAS


Não em tom de crítica, mas sim em voz de alerta para as entidades responsáveis (leia-se CMFF), chamo à atenção para um facto que pode trazer alguns transtornos.

Refiro-me ao que se passa com alguns prédios da Urbanização FozVillage (Norte), que têm as varandas sadias para os passeios e ao nível da cabeça de quem por ali se desloca a pé.

A questão que ali se coloca, é que com grande facilidade um peão mais distraído embate contra as quinas vivas que, sem qualquer tipo de protecção, escondem um impacto que em tudo pode ser violento e com consequências gravosas. Sei de pelo menos um caso de um peão que embateu contra uma das varandas.

A solução será a de colocar naquele espaço algo que "obrigue" os peões a se desviarem, uma vez que deitar as varandas abaixo está fora de questão.

Quanto a mim falhou não só a projecção destes edifícios, como também a avaliação por parte dos responsáveis autárquicos.
Nenhuma das partes teve em questão a segurança dos peões.

6 comentários:

Ricardo disse...

sem duvida é um perigo!
um pequeno canteiro por debaixo das varandas obrigaria os peões a contornar o perigo.
Abraço

Pensamentos Felizes disse...

Estou de acordo com o Ricardo, um pequeno canteiro obrigaria as pessoas a contornarem as varandas.
beijinho e boa semana

dass disse...

Um óptimo alerta. E não seria absurdo verificar se as varandas estão feitas em espaço privado, ou se extravasam essas limitações e recaem sobre domínio público.

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Jorge:

Estás enganado meu bom amigo.
Aquilo está tudo feito de própósito.
Foi uma questão de "untar as mãos" a quem deferiu tal projecto pois se o mesmo fosse pessoa responsável certamente que tal não teria permitido.
Boa semana.

Um abraço,

a Prinçusa disse...

eu seria desses peoes distraidos que bateriam com a cabeça...

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Jorge:

O Estados Gerais desenvolve, por esta altura, uma luta sem tréguas contra a hipocrisia e a falsidade e a favor da justiça e da moralidade.
Diariamente surgem relatos que me envergonham de ser português.
Misturam-se conceitos profanos com argumentos religiosos... e já chega ao cúmulo de bispos compararem um aborto (seguramente feito por circunstâncias excepcionais) á pena de morte.

O contributo dos comentários de pessoas sãs de espirito e sérias perante a vida como tu, são o melhor "bálsamo" que poderá ser prestado.


um abraço,