terça-feira, setembro 26, 2006

A ideia errada...

Muitas são as pessoas que olham para a formação, seja ela qual for, como "...uma seca sem importância ".

Para mim, essas são pessoas mentalmente inertes. Pessoas que não evoluem. Pessoas que num futuro cada vez mais próximo ficam ultrapassadas.

Fazem-me lembrar quando da implementação da informática nas empresas e então diziam "... para quê isto se com a máquina de escrever sempre funcionou ?"

"... não frequento, porque não vou aprender mais do que aquilo que já sei". Típicos pensamentos retrogados.

Então onde fica a troca de experiências, a actualização de conhecimentos, métodos, etc ??...

Na minha área mais especificamente, quando se promove uma acção de formação de Condução Defensiva - Actualização de Condutores, não se pretende ensinar ninguém a conduzir.

Uma formação desta natureza pretende fornecer aos seus participantes uma informação actualizada, reavivar conhecimentos, readaptar a forma de estar e actuar no Sistema de Circulação Rodoviária, apresentar e desenvolver a aprendizagem de sistemas modernos de segurança activa e passiva e fazer com que cada um faça uma reflexão sobre a actual realidade rodoviária.

Nesta formação há ainda espaço para o desenvolvimentos de jogos que vão ao encontro da necessidade dos condutores interagirem em grupo no trânsito, sem que tenham de se conhecer.

A evolução das condições rodoviárias e o desenvolvimento dos veículos a isso obriga.

Se queremos que os nossos formandos apreendam com eficácia a informação que lhes estamos a transmitir, então temos de lhes proporcionar o teste.

Recorremos a jogos e prática.

Estas formações têm uma expressão prática que permite aos formandos duas coisas:

I - Sentir como reagem alguns sistemas apresentados.

II - Fazerem uma auto-análise sobre se a normal forma como conduzem é a mais adequada a situações que requerem manobras de evasão efectuadas com precisão e realizadas em maior ou menor velocidade.

Quem pensa que já sabe tudo, afinal não sabe nada.

A ACIFF está a dar a oportunidade de se aprender mais.

Acima de tudo, não devemos ter vergonha de aprender e partilhar a nossa sabedoria.

Boa Noite

10 comentários:

Onde há Galo... disse...

Dificil. Muito dificil. Complicado. Nada pragmático. Mas para què? Porquê? Já conduzo há 70 anos. Sou profissional, apenas o Schumacher me bate. Eu faço os piscas, cumpro com o Código, se for preciso até ponho a mão de fora a dizer que vou virar à esquerda, tenho o colete pendurado no banco (como manda a lei) e o resto é conversa. Ó Boi, não vês que estou à direita? Oh Camelo, atão o pisca? Nem que a vaca tussa mas não passas à minha frente... O quê, queres-me ultrapassar? Já vais ver os 170 cavalos que tenho no motor e se for preciso ainda atrelo o burro que vai ao volante. Esta a mentalidade do "tuga". Vai em frente, se 1% mudar de atitude, já valeu a pena.

veritas disse...

Olá Jorge!

Isso que disseste aplica-se em todos os domínios da vida. A aprendizagem é um acto contínuo e até ao fim da vida...é disso que é feita a evolução do homem...o problema é que muitos ainda não saíram do estado cro-magnon...O meu lema é "aprender até morrer"...

Bjs.

Amélia disse...

Olá.
Vim aqui ter "pela mão" da Cristina... e achei piada ao post.
Eu cá conheço uma certa pessoa que estuda engenharia mecânica, gosta de todo o que é máquinas e maquinetas, adoraria ser poloto de testes e um destes dias veio cá a casa ajudar-me a montar o fogão, dizendo no fim: Já está! Tens é que comprar outro cabo para o fogão que este tem três fios, não sei para que é o amarelo!
LOOLLLL
Lá lhe expliquei que era da ligação à terra e mesmo assim, mesmo assim parece que não ficou lá muito convencido!....

Mas aquilo que mais me incomoda na resistência à formação é quando nos dizem que é somente para efeitos de progressão na carreira, e claro: "não vou lá aprender nada". É triste de facto. E é ainda mais triste porque, parece-me, tiram o lugar a outros...

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Jorge:

Depois do comentário da Veritas fiquei sem argumentos.
Mas olha... faço meus os argumentos dela.

Um abraço,

Pensamentos Felizes disse...

Dá-me a sensação que as pessoas não gostam de ser chamadas à atenção e principalmente não gostam de evoluir (do tipo se já faço isto assim há 30 anos e corre bem para quê mudar???) e quando a formação é em áreas onde as pessoas já exercem a sua actividade ou neste caso já conduzem há alguns anos esta resistência ainda é maior. É triste que assim seja...
beijinho
Cris

Pensamentos Felizes disse...

Dá-me a sensação que as pessoas não gostam de ser chamadas à atenção e principalmente não gostam de evoluir (do tipo se já faço isto assim há 30 anos e corre bem para quê mudar???) e quando a formação é em áreas onde as pessoas já exercem a sua actividade ou neste caso já conduzem há alguns anos esta resistência ainda é maior. É triste que assim seja...
beijinho
Cris

a Prinçusa disse...

ha quem diga k a esperança é a ultima a morrer. para pessoas assim, acho k ja tou morta.

Ricardo disse...

Muitas pessoas não gostam que digam q estão erradas, principalmente ao volante. "Já conduzo à N anos e nunca tive nenhum acidente", diz muita gente. Pois, há pessoas cheias de sorte.
Andamos nesta vida sempre a aprender e vivemos para o fazer. Alguem Convencer-se que já sabe tudo é meio caminho para a morte.
Abraço

Pensamentos Felizes disse...

Passei para deixar votos de bom fim de semana para ti e para a tua família.
beijinho
Cris

Pensamentos Felizes disse...

Está tudo bem? Não tens dado notícias aqui pelo teu blog...
Cris